Veja como trabalhar no Banco Itaú e também em outros bancos

estagio-corporativo-itau-salario

Conheça um pouco mais sobre esta empresa com nove décadas de história e sucesso

Muita gente muda de vida ao mudar de emprego. Para isso, é importante trabalhar em empresas que ofereçam condições de crescimento e realização pessoal e profissional. O Itaú Unibanco S.A. é uma instituição financeira cuja história já possui quase um século de sucesso, evolução e respeito ao cliente. Saiba um pouco mais sobre o maior banco privado do Brasil.

Por que trabalhar no Banco Itaú

O Itaú Unibanco S.A. é o maior banco privado do país. A bem-sucedida fusão entre Itaú e Unibanco aconteceu em 2008 e foi uma das maiores fusões empresariais da história da economia brasileira. Com a união, as empresas assumiram a liderança do mercado financeiro nacional e mantiveram a marca do Banco Itaú como a “cara do negócio”.

Em 2015, o lucro da empresa atingiu quase R$ 24 bilhões e, atualmente, o valor de mercado do Itaú Unibanco gira em torno dos R$ 40 bilhões. São cerca de 90 mil funcionários espalhados por todo o país, responsáveis pela administração da conta e dos recursos de mais de 60 milhões de correntistas no Brasil e em outros países. Cerca de 4 milhões de usuários utilizam o internet banking do Itaú, enquanto 8,6 milhões de pessoas curtem a fanpage do Facebook. Além disso, a empresa dispõe de 26 mil caixas eletrônicos, 5 mil agências e atuação no Brasil e mais 21 países.

A história do Itaú Unibanco

Antes da fusão entre Itaú e Unibanco em 2008, ambas as empresas colecionavam história. O Unibanco nasceu como Casa Moreira Salles, no ano de 1924, na cidade de Passo Fundo. A princípio, como uma loja de variedades que também servia de correspondente bancário. Em 1944 surgiu em São Paulo o Banco Central de Crédito S.A, que posteriormente assumiria o nome fantasia de Banco Itaú. Ambas as empresas foram crescendo ao longo do século, adquirindo bancos menores e/ou a ponto de falir e assim, expandindo seus negócios nacionalmente.

Uma empresa com uma consistente participação social

Apesar do estrondoso rendimento financeiro da empresa, o Itaú Unibanco S.A também investe em valores humanos e sociais para obter um crescimento mais sustentável. Os investimentos culturais são realizados visando a população em geral, clientes e não-clientes, funcionários ou não-funcionários, e os números são bastante expressivos.

Os espaços de cinema criados pelo Itaú são utilizados por mais de 3 milhões de pessoas, 8 milhões de viagens nas “bicicletas laranjas” e mais de 45 milhões de livros distribuídos através do projeto Itaú Criança. Uma empresa gigantesca como o Itaú Unibanco que, através de suas fundações, contribuem para o crescimento de tantas pessoas, também não poderia deixar de investir em seu corpo de funcionários.

O Itaú investe constantemente em tecnologia e na integração entre o digital e os processos bancários. Da mesma forma, a empresa preza pelos profissionais mais competitivos e competentes do mercado, fazendo com que seus colaboradores tenham uma longa carreira dentro do banco e que a hierarquia empresarial seja sentida da forma mais sutil possível, prezando pelo respeito aos funcionários, às leis trabalhistas e às convenções sindicais.

Para saber mais sobre o trabalhe conosco do banco itau e entre outras dicas de emprego acesse: https://autonomobrasil.com/

Ela saiu do zero e conseguiu montar uma revenda lucrativa de roupas e lingeries

revenda-lingerie

Como uma garota sem experiências com vendas, conseguiu sair do zero e montar uma revenda lucrativa de roupas?

Era começo de dezembro de 2013, e Luana não tinha garantida sequer a sua próxima refeição do almoço. Aquela garota havia crescido sem pais, e convivera com familiares distantes até os seus 12 anos.

Infelizmente Luana não tem lembranças de seus pais, que vieram falecer quando ela tinha pouco mais de um ano e alguns meses.

Pode parecer uma história difícil e sofrida, mas, para ela não!

Seu grande diferencial foram livros, conta a garota, que sonhava em ser médica por toda infância. Mas, o que veio influenciá-la a ser uma grande comerciante, foram as grandes biografias de empreendedores que a mesma tinha prazer de ler.

Luana durante suas leituras aprenderá muita coisa sobre negócios e, uma dessas lições ficará marcada em sua memória para sempre. Nunca tenha um emprego! Dizia um grande empreendedor em sua obra preferida, venda qualquer coisa, mas, não se deixe levar pela falsa promessa de estabilidade e segurança.

E foi assim que apôs juntar uma boa grana com a revenda de água e doces no farol, Luana começou a comprar roupas e lingeries no atacado para revender. E hoje em 2016, Luana é capa de diversas revistas de negócios que glorificam seu trabalho.

Abaixo veja algumas dicas para começar uma revenda de roupas:

Oportunidade no segmento roupas e lingeries

Atuar no mercado de revenda de roupas é uma boa oportunidade para quem pretende complementar a renda. Porém, para obter o sucesso almejado nesse ramo de trabalho, é necessário demonstrar para o seu público-alvo um vasto conhecimento acerca dos produtos vendidos.

Saber explicar de forma detalhada, conhecer modelos e formatos de peças, bem como quais são os tecidos mais usados e apropriados, é uma forma de passar credibilidade para os potenciais compradores.

No caso específico da revenda de lingeries e moda íntima, demonstrar conhecimento a respeito das curiosidades e tipos que envolvem essas peças básicas do vestuário feminino traz várias possibilidades para a fidelização das clientes. Afinal, elas terão mais segurança para comprar produtos de quem demonstra ter conhecimento acerca do que está vendendo.

Revenda de Lingeries – Curiosidades sobre moda íntima

Uma cliente normalmente busca conforto ao efetuar a aquisição de lingeries e demais peças íntimas. Assim, caso a cliente pergunte qual é o tecido mais confortável para as peças íntimas, é pertinente saber que o algodão é o mais recomendado, visto que ele não irrita a pele e não provoca alergias, evitando assim a proliferação de bactérias.

Renovação constante de estoque

Outra dica interessante para quem atua no ramo da revenda de lingeries é recomendar a substituição dos sutiãs a cada seis meses. Essa troca é importante, porque após um tempo de uso, essas peças sofrem com a perda de sustentabilidade, resistindo também ao processo de lavagem e se tornando locais propícios para o surgimento de bactérias.

É importante também para a vendedora oferecer para a cliente o tamanho exato da peça íntima, pois peças de tamanhos inadequados acarretam em desconforto e, consequentemente, a perda de credibilidade para quem efetua a venda.

No entanto, muitas clientes conhecem bem o próprio porte físico e possuem plena consciência do produto que elas querem. Sendo assim, nesses casos, a vendedora deve estar atenta para não ser pega de surpresa por qualquer questionamento.

É relevante então saber quais os tipos de alças de sutiãs não deixam marcas, quais os tecidos de calcinha que são mais confortáveis. Inclusive, é pertinente estar a par também dos modelos e tecidos ideais de maiôs e biquínis.

Portanto, ao ingressar no ramo de revenda de lingeries, vale fazer uma pesquisa sobre produtos e qualidades. Dessa forma, você terá maior credibilidade para realizar as suas vendas.

Conheça também a Lista Ouro de Fornecedores

Se você deseja aumentar ainda mais sua lucratividade, revendendo lingeries e roupas de qualidade, o projeto Lista Ouro é para você.

Ao se inscrever na Lista, você receberá um Login e senha, onde em uma área privada, poderá consultar excelentes fornecedores, fabricantes e atualizações mensais de contato.

Veja o vídeo abaixo:

Você sabia que a Dudalina surgiu através de um grave erro?

dudalina

Seu Duda mal sabia, mas estava preste a dar vida a uma grande empresa através de um erro, que ele mais tarde estaria cometendo ao efetuar a compra de um grande lote de tecidos.

E para você entender melhor, tudo se inicia com a história de um casal apaixonado que tinha vários sonhos e, um deles era o de construir uma família com 20 filhos vindo de seu relacionamento.

Desta forma o casal decidiu mais tarde, que eles deveriam ter seu próprio negócio, e logo compraram um armazém de secos e molhados, este era um tipo de comércio da época que comercializava de tudo um pouco, desde alimentos, remédios e até as famosas panelas que ficavam penduradas acima do balcão.

Dona Adelina era a cabeça do negócio e seu Duda a acompanhava nas decisões, mas, sempre a última palavra era desta mulher com diversas qualidades, incluindo sua determinação e foco incansável.

E ano após ano os filhos estavam chegando e como sempre, quando a gravides chagava a um período de certo risco para se ficar trabalhando, dona Adelina se ausentava do trabalho e seu Duda fica responsável por tudo no negócio.

 

Com a chegada do sétimo filho a Dudalina surgiria

E foi assim que em meados do ano de 1953, seu Duda sai para fazer às compras de reposição de mercadoria do comércio da família e comete um grave erro: iludido por uma proposta de um de seus fornecedores, resolve comprar um grande lote de tecidos, que mais tarde ficaria encalhado sem vender no armazém por mais de dois anos.

Voltando a trabalhar após um longo período de recuperação pôs parto, dona Adelina se via incomodada com aquele tecido parado sem vender, que querendo ou não estava ocasionando prejuízos e, resolve aprender a costurar para criar camisas masculinas para vender no armazém.

Nascia alia as primeiras camisas masculina Dudalina (saiba mais neste link), marca que teve junção ao nome de dona Adelina mais o nome de seu Duda.

 

Sonia Hess a presidenta da Dudalina que não sabia costurar

Coincidência ou não, Sonia fora o sétimo filho do casal a nascer, sendo a mesma gravidez onde dona Adelina estava fora do comando do armazém e seu Duda cometeu aquele erro precioso da compra de tecidos.

Sonia antes de assumir a presidência chegou a ir para Europa e lá aprenderá a costurar, mas, a mesma conta que sabe ensinar a costurar e não sabe costurar. É um fato curioso e ela própria relata estes e entre outros episódios da história da marca Dudalina no vídeo abaixo.

 

Rui Hess conta diversos casos curiosos sobre seus pais

Filho e também executivo da Dudalina, conta no vídeo abaixo diversos relatos curiosos sobre seu pais e também como a marca chegou a patamares de destaque internacional com a seguinte missão: amor às pessoas e a camisa!

 

Em 2013 a Dudalina é vendida

No ano de 2013 Sonia Hess juntamente com a decisão de seus executivos e irmãos, sendo que exatamente cinco deles só ficaram sabendo da decisão por canais de mídia, porque infelizmente a discordância sobre o comando das operações eram frequentes até à época da venda.

Sonia relata que um dos fatores que levou a decisão de venda, fora também este fato, onde a desunião falou mais alto em todas as decisões importantes sobre o comando de uma empresa do porte que a Dudalina já se encontrava.

E para cumprir também com o desejo de sua mãe, dona Adelina falecida em 2008, que gostaria de ver sempre a união da família, Sonia e seu grupo de executivos, venderam a marca Dudalina para um grande grupo americano de investidores.

 

Em 2014 a Dudalina se junta a Restoque S/A

A empresa Restoque dona também das famosas marcas Rosa Chá e Le Lis Blanc, realiza a fusão com a Dudalina e passa a ser também dona de todas as marcas do portfólio da empresa, que inclui a marca Individual e Base Jeans Wear.